Capítulo 6 - Pacto de Sangue

Olá! Hoje já fiz mais um capítulo, não é muito grande, mas espero que gostem  e deixem comentário aí em baixo ↓. Adianto já que, este "Pacto de Sangue" ainda vai ter muita história.

 

 

P.O.V. Viviana

 

- Um pacto de sangue?! Tu estás maluca, Vivi?! – Disse a Sara

 

- Não! Vê, eu gosto dele e tu também, mas, nós somos melhores amigas á 5 anos! – Gesticulei as mãos como se fossem uma balança.

 

- Mas que pacto seria esse?

 

- Mesmo que ele goste de uma de nós, não o podemos beijar, nem curtir e muito menos namorar com ele.

 

- Okai. Tens uma faca? – Perguntou ela, apreensiva.

 

- Tenho e também tenho pensos. – Disse eu animada.

 

Fui buscar a faca á cozinha e os pensos á casa de banho.

 

- Okai, faz tu primeiro. – Disse ela, com medo.

 

Agarrei firmemente na faca pelo punho, levei a ponta desta á ponta do meu dedo e fiz pressão até fazer um pequeno corte, donde escorreu um fio de sangue escarlate.

 

- É a tua vez e faz depressa. – Disse eu.

 

Enquanto ela fazia a mesma coisa, caiu uma pequena gota do meu dedo para o tapete da minha sala. Ela fez o mesmo corte e tocámos nos dedos cortados uma da outra.

 

- Prometes nunca ter uma relação com o Gonçalo? – Perguntou-me a Sara. Eu sabia que a resposta me ia custar a sair, mas um pacto de sangue, é um pacto de sangue.

 

- Prometo, e tu? – Disse eu. Pensei que a resposta ia demorar a sair, mas foi rápida como um relâmpago.

 

- Prometo. – Disse ela. Tirámos os dedos uma da outra. – Uau! Isto foi a coisa mais excitante que alguma vez fiz contigo!

 

- Pois foi! – Eu ri-me. Abraçámo-nos durante um bocado. – Ah, pois! Toma um penso. – Só depois é que me lembrei que ainda tínhamos o corte a sangrar. Agarrei num penso e dei-lhe, depois agarrei noutro e coloquei-o.

 

- Hum, que horas são? – Perguntou a Sara.

 

- 7:26, a minha mãe já deve estar a acordar. – Disse eu a olhar para o visor do meu telemóvel. - É melhor irmos para a casa de banho, para nos arranjar-mos.

 

- Acho que é a primeira vez que concordo contigo, Vivi! – Nós rimo-nos as duas em uníssono.

 

Subimos as escadas até á casa de banho, até que eu me lembrei que tinha que ir buscar uma coisa ao quarto.

 

- Olha, tenho de ir buscar uma coisa ao quarto, mas vai começando a preparar as coisas e a arranjar-te. – Ela acenou com a cabeça e eu fui até ao quarto.

 

No caminho, comecei a sentir uma coisa a vibrar no bolso do lado direito das calças. Era o telemóvel. Tirei-o do bolso e olhei para o visor – Número privado. Atendi.


publicado por Find Who It Is às 16:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)